A Conta dos Passaralhos

Um panorama sobre demissões de jornalistas nas redações do Brasil desde 2012.

Compartilhe: - http://bit.ly/passaralhos

Metodologia


Contexto

Não é tarefa fácil rastrear as demissões de jornalistas nas redações brasileiras. A inexistência de um banco de dados nacional ou de uma fiscalização compreensiva por parte da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) ou de sindicatos diz muito sobre a falta de unidade do setor.

Soma-se a isso a pouca transparência das empresas jornalísticas, que raramente anunciam seus planos de demissões e contratações.

Outro motivo é a informalidade do setor. Em parte, isso explicaria a falta de transparência das empresas: se elas estão fazendo algo irregular, como contratar jornalistas como PJ ou “frilas fixos”, obviamente não divulgariam os cortes - até porque esses profissionais não seriam considerados funcionários.

Para se ter uma ideia da dificuldade em se obter dados precisos, nem mesmo a Fenaj sabe quantos jornalistas de redação foram demitidos nos últimos anos ou quantos são terceirizados ou PJs. Na falta de um levantamento detalhado, a entidade baseia-se em dados do Ministério do Trabalho, que contabiliza apenas celetistas e não discrimina se eles são de redações ou de outras áreas relacionadas ao jornalismo - como assessoria de imprensa, comunicação interna e produção de conteúdo corporativo.

Em um pedido de dados feito pelo Volt por e-mail em 15 de maio de 2015, à época da concepção do projeto, a reposta da Fenaj foi: “não temos os dados solicitados e a melhor fonte é o MTE, que é responsável pelos levantamentos anuais”. Em subsequente contato com um diretor da entidade, foram enviados dados do Caged.

A maioria dos sindicatos também não parece muito empenhada em fornecer ou até mesmo compilar esses dados.

O Volt entrou em contato com praticamente todos os sindicatos, estaduais ou locais, num total quase 30, e em duas semanas obteve retorno de apenas cinco - São Paulo, Acre, Ceará, Distrito Federal e Rio Grande do Sul.

Foram solicitados as seguintes informações a eles: dados discriminados por ano (2010, 2011, 2012, 2013, 2014 e parcial até maio/2015) e em categorias como 1. Demissão 2. Pedido de demissão 3. Fim de contrato 4. Aposentadoria 5. Morte 6. Outro.

O sindicato do DF respondeu apenas, num claro exemplo da crise dessas instituições, que “não temos os dados consolidados e no momento não temos equipe para tal levantamento”.

Levantamento de dados

A pesquisa do Volt vale-se, então, de notícias publicadas em sites especializados a partir de 2012. As principais fontes foram o Portal Imprensa, o Comunique-se e o Portal dos Jornalistas, mas também incluem alguns outros veículos.

O lado positivo da pesquisa por fontes noticiosas é que ela é baseada muitas vezes em fontes não-oficiais - especialmente apuração de repórteres cobrindo o caso. Isso traz uma vantagem: jornalistas informais podem ser contabilizados. Por exemplo, um “PJ” demitido pode não contar oficialmente como “demissão”, já que ele é formalmente uma empresa fornecedora, e não um funcionário.

Há também lados negativos: é difícil traçar uma série histórica, por falta de informações mais antigas; e notícias sobre demissões não-coletivas, inclusive por cortes de custos, muitas vezes não são publicadas.

Antes de 2012, as notícias sobre demissões nas redações são esparsas e imprecisas nos mecanismos de buscas, o que dificulta ainda mais a obtenção de estimativas. Mas certamente esse cenário foi bastante acintoso após a crise financeira mundial de 2008, agravado ainda mais pela fraqueza da atividade econômica brasileira desde 2011.

Em meio a anúncios constantes de cortes nas redações já há alguns anos, esses números podem parecer pequenos. Considerando a falta de informação e a dificuldade de levantar dados confiáveis e precisos sobre o assunto, talvez estejam mesmo subestimados. Portanto, os números dessa pesquisa devem ser tratados mais como uma estimativa geral e uma referência da situação das redações jornalísticas do que como um estudo de alta precisão.

Primeiramente, porque muitas demissões de jornalistas nem mesmo são relatadas pela imprensa especializada. Foi o caso, por exemplo, de quatro demissões de jornalistas (registrados em carteira) ocorridas na agência de notícias Reuters, em abril de 2013 (nota: o editor do Volt é ex-funcionário da Reuters, mas não foi demitido).

A Record e a Rede TV!, em 2013, promoveram a demissão em massa de mais de centenas de pessoas cada uma. No entanto, não foram divulgados os números finais de jornalistas demitidos, apenas o total geral, incluindo outras áreas, o que dificulta o registro. Dezenas de repórteres e editores foram dispensados, mas não há registros sobre isso, ou as fonte carecem de credibilidade.

Em segundo lugar, porque a grande maioria das notícias analisadas pelo Volt tinha como foco principal demissões em massa. Ou seja, muitas dispensas pontuais para cortes de custos não foram relatadas.

Em terceiro, há também muitos desligamentos de profissionais terceirizados ou que trabalhavam sob regime de prestador de serviço PJ (Pessoa Jurídica), o que torna os números mais difíceis de rastrear, já que essas demissões não passam por sindicatos nem nenhuma entidade de fiscalização, e essas pessoas muitas vezes nem mesmo são consideradas funcionárias das empresas. Embora a imprensa especializada relate algumas dessas demissões, é impossível saber se noticia todas.

Por fim, não se deve considerar os dados deste levantamento como “demissões líquidas”, ou seja, demissões - contratações, considerando que, após desligamentos, algumas vagas voltam a ser preenchidas. É praticamente impossível saber os dados de contratações das redações.

É seguro dizer, no entanto, que muitas vagas em redações foram extintas, e muitas das que foram repostas o foram com profissionais mais jovens e, consequentemente, com salários menores.

Texto original de junho/2015, revisado em setembro/2016


Direito de resposta das empresas jornalísticas

Por se tratar dezenas de empresas e grupos diferentes, além de ter sido um levantamento próprio a partir de notícias não corrigidas, o Volt não contatou as empresas para esclarecimentos no âmbito deste projeto.

Caso qualquer empresa queira se posicionar, favor contatar o Volt através do e-mail: info[@]voltdata.info


Textos complementares

Fontes